03 novembro 2011

Por favor, não seja um babaca!


Nos últimos dias muitos amigos meus têm agido como verdadeiros babacas. Eu não sou fã de Lula. Nunca votei nele. Muito menos em candidatos do PT. Mas isso não justifica uma militância babaca.

O ex-presidente tem câncer e está recebendo tratamento particular. Desde que se tornou de conhecimento público, iniciou-se uma campanha para que Lula fizesse seu tratamento pelo SUS. Isso é uma tremenda babaquice.

Discordar de alguém politicamente é uma coisa. Outra coisa é agir de forma mesquinha e rancorosa quanto a uma doença grave desta pessoa. Independente do que Lula falou sobre avanços de tratamento público na área da saúde, não é justo para com a sociedade que ele faça uso deste tratamento.

O ex-presidente possui recursos para se tratar pelo sistema particular. E dentro da realidade em que nossa sociedade é construída, o capitalismo, é evidente que o sistema privado de saúde vai ter mais recursos e melhor qualidade de tratamento. E tendo condições de usufruir desse tratamento, Lula deve fazê-lo principalmente por dois motivos:

- Não é válido tirar a chance de alguém com uma doença tão grave de se tratar pelo SUS somente pelo capricho político. O custo de tratamento de câncer é elevadíssimo e para que Lula se trate pelo sistema público, seria necessário que alguém deixasse de ser tratado. Tendo recursos disponíveis para fazê-lo pelo sistema privado, isso seria uma temeridade.

- A opção para tratar uma doença tão agressiva como é um câncer deve ser sempre a melhor opção possível. Somente quem já teve uma pessoa próxima que passou ou foi vitimada pela doença sabe da força de um câncer. Não é algo com o que se possa brincar ou relaxar.

É preciso entender que sim, o Brasil fez avanços no tratamento público de saúde. Isso não quer dizer que ele seja bom como privado. Mas o atendimento público de saúde do Brasil é invejado pelos EUA, por exemplo, onde tudo que é ligado à saúde possui um custo elevadíssimo e possuir seguro de saúde é fundamental para não ser vitimado até mesmo por doenças tratáveis sem precisar arcar com um custo extraordinário.

O Brasil ainda implantou distribuição de medicamentos para o tratamento de uma série de doenças de forma grátis. Temos aqui medicamentos grátis que não há em qualquer país do mundo.

Isso quer dizer que o Sistema Único de Saúde é o suficiente? Não, ele ainda é insuficiente. Mas ele conquistou uma série de avanços. É fundamental também compreender os avanços que a saúde atingiu a âmbito federal, ou seja, aquilo que foi feito para todo o Brasil. E nesse aspecto conquistamos avanços significativos nos últimos 20 anos.

É preciso compreender como a saúde tem se organizado no país. Temos um sistema descentralizado. Isso é facilmente observável pelo maior volume de hospitais estaduais e municipais frente a federais, que são em quantidade muito menor.

O Governo Federal repassa a administração e aplicação da maior parte dos recursos da saúde para Estados e Municípios. Ou seja, se o seu Hospital Público não está bem ou é responsabilidade do Prefeito da sua cidade ou do Governador do seu estado.

É evidente que o governo FHC teve ações mais impactantes na área de saúde que o Lula. Porém, a gestão da saúde não foi ruim. Ele continua sendo defeituosa, mas é superior a da maioria dos países, inclusive de países desenvolvidos, comparando o âmbito público de ambos.

Por isso, ironizar com o câncer de Lula não é apenas deselegante, mas é um atestado de burrice. Você acha que a saúde está ruim? Poderia estar pior. Você queria que ele se tratasse pelo SUS? Se fossem seus pais ou seus filhos a perder o tratamento de câncer no SUS para que ele se tratasse, você realmente acharia isso bom, justo?

Reflita com humildade. Não é uma questão de opinião política, de gosto ou preferência. É uma questão de noção, de caráter. Saiba separar a discordância da pessoa. Não torne a diferença em ódio. Não odeie o homem. Pensamentos cheios de ódio levam a babaquice. Pense, seja inteligente. Discorde com civilidade.

3 comentários:

Mario Sergio De Marchi disse...

Devolvo pra quem escreveu isso. Por favor, não seja um babaca! Nosso IDH (saiu hoje) é 80 e qualquer coisa. Não subimos uma posição sequer. Como dizia Nelson Rodrigues, o Brasil sofria da síndrome do vira-lata. Agora graças aos babacas, sofremos da síndrome do poodle. Como diz o Sr. Da Silva, (tomara que ele se cure) tudo está bom, a saúde, a educação, saneamento, etc. etc. etc. Mas isso não é o que diz o IDH. Mas é assim mesmo. Todo Caudilho precisa do povo que o idolatra. E o povo (que tem o governo que merece) idolatra o Sr. Da Silva. Então tem o tratamento que merece (SUS) Já o Sr. Da Silva...

Paulo Rhedy disse...

Mário Sérgio, agradeço o comentário.

O Brasil ficou em 84º na lista do IDH, estamos na metade da lista. Porém, é preciso entender que novos critérios foram adotados para que a índice fosse menos superficial.

A pontuação do Brasil foi realizada com dados de 2006, o que reflete que esse não é nosso IDH atual. Mas, independente disso, isso não significa que estejamos bem.

Eu permito que você peça para eu não ser um babaca quando eu estiver sendo um babaca, o que qualquer ser racional verá que não é o caso.

Eu não sei se você percebeu, mas eu não defendo a gestão dele, tampouco a atual. O Brasil possui problemas crônicos. Mas esses problemas crônicos estão aqui desde sempre. Não se pode atribuir nossos problemas de saneamento ou educação meramente ao Lula. Temos que atribuir a todos os governantes que passaram pelo poder no Brasil nas últimas décadas.

O que devemos cobrar o Lula é porque em certas áreas ele avançou tão pouco. Da mesma forma que devemos cobrar o FHC. E que hoje devemos monitorar a atual presente.

Você tem que lembrar que o IDH leva em consideração critérios de educação, saúde e moradia. Se você pegar a realidade do Déficit habitacional que o Brasil possui e nossos "maravilhosos" índices de educação, de onde você acha que saiu a nossa posição, com uma nota razoável (0,718).

E subimos uma posição. É pouco, quase nada, mas subimos.

Ler e entender o índices é fundamental para usá-los como argumento. E utilizá-los como argumento fica ainda mais fácil quando você possui uma progressão temporal dos índices. E se você avaliar, verá que o Brasil possui um crescimento lento, mas possui.

Kari Gabriel disse...

Tenho uma pergunta: por que as pessoas não conseguem separar doença grave de ideologia política? (vou criar um caso com essa...)

Quanto ao IDH, segundo especialistas, quando maior for o território do país, mais lento é o "crescimento" do IDH. O Brasil tem hoje o IDH que os EUA tinha nos anos 40. Não acho isso injusto e acho que nem preciso explicar o porque. O Brasil está sim se desenvolvendo, mas é um crescimento mais lento e vai ser assim por mais um tempo até atingirmos um nível decente.
O IDH usa os indicadores de renda, educação e saúde. E sabemos muito bem que o nosso país, com tamanha desigualdade social, não pode progredir mais rápido do que o atual.
Conformar não é a solução, mas fazer algo pra mudar.

Quanto ao Lula: se ele pode pagar para se tratar, que ótimo! Os remédios de quem não pode pagar continuam lá na espera das pessoas que DEVEM utilizá-los.

Quanto ao SUS: é uma bosta pra quem usa e é invejado por quem não tem. Nos EUA (já que foi utilizado como fator de comparação anteriormente), se você for no hospital passar remédio e por um band-aid, é cobrado.

Sei lá! Às vezes, sair do sofá pra poder reclamar de alguma coisa é fundamental...